• Youtube
  • Twitter
  • Facebook

A Bíblia apresenta importantes diferenças entre relacionamentos e alianças, como duas situações distintas, das quais nós podemos tirar muitas lições. Uma comparação contemporânea seria a diferença entre amigos e colegas. O colega é aquele com o qual nós podemos nos assentar para lanchar, ou que está conosco durante uma aula ou um trabalho. Já o amigo é aquele com quem nos preocupamos, que nos desperta interesse em todo o tempo, a ponto de, se pudermos ajudar ou defender, sempre o faremos. Amigo refere-se à aliança. Colegas podem chegar a ser, no futuro, amigos, já que a Bíblia diz que em todo o tempo ama o amigo, que pode vir a se tornar até um irmão (Pv 17.17).

Adão e Eva, por exemplo, optaram por se relacionar com o Diabo. A presença do Deus amigo era uma constante para eles, mas eles escolheram o Diabo, que só queria lhes prejudicar. Outro relacionamento negativo foi o de Sansão com Dalila. Após enfrentar um casamento frustrante, num momento de dor, Sansão se relacionou com os filisteus, povo que era inimigo de Israel, seu povo. Entre os inimigos, Sansão conheceu Dalila, com quem ele se abriu e contou seus problemas. Como ela era apenas uma colega de Sansão, na primeira oportunidade, ela se vendeu, em detrimento de Sansão e em favor dos filisteus.

Por outro lado, a Bíblia também mostra o que são relacionamentos positivos. Primeiramente, destaco a relação de Davi com alguém que ele conhecia. Esse personagem, cujo nome a Palavra não revela, foi a pessoa que indicou Davi para trabalhar no palácio do rei Saul, quando este estava possesso. Saul foi convencido a contratar alguém por causa da aliança que esse amigo não identificado tinha com Davi, que foi descrito como alguém que ajudaria Saul por saber tocar, ser cheio de sabedoria e ser abençoado. Essa era uma pessoa aliançada, que conhecia Davi na intimidade. Assim, Davi entrou no palácio e Saul foi liberto muitas vezes por meio do talento que Deus deu a Davi (1Sm 16.14-23).

Outro relacionamento positivo é o de Elias e Eliseu, cuja vida de comunhão era como se fossem pai e filho, o que gerou uma porção dobrada de unção no ministério de Eliseu, após a partida de Elias. Eliseu se tornou um profeta com maior respeito, pois, através dele, aconteceu o dobro de milagres em relação aos que aconteceram com Elias.

Hoje, muitas pessoas confundem essas situações quando vem um pregador de fora para a igreja. Princípios de relacionamentos não são o mesmo que aliança. Quando uma pessoa vai à sua casa pela primeira vez, você não o convida para o quarto, mas, sim, à sala, onde você a recebe e, com o tempo, se ela for digna da sua intimidade, então poderá desfrutar dos outros ambientes. Ressalto que os fatos que acontecem dentro da igreja – particularmente os ocorridos nestes últimos dias – fizeram muitos se confundirem quanto ao início de um relacionamento com seu meio ou fim. Tenho colegas e amigos, que se tornaram mais chegados que irmãos.

Peço a você que nunca se precipite, confundindo início de amizade, com aliança, ou início de relacionamentos com total confiança. Que todos nós analisemos isso e cresçamos, em nome de Jesus. Que Deus o abençoe.

Pr. Jorge Linhares

Comentários

Nenhum Comentário

Comentário estão bloqueados.