• Youtube
  • Twitter
  • Facebook

profissionais-textoUm dos maiores desafios para qualquer gestor é conseguir manter os grandes talentos dentro da empresa. Encontramos esse cenário em empresas de todos os portes e de todos os setores. A mesma dificuldade que uma empresa familiar tem em manter um bom profissional é encontrada nas gigantes multinacionais. Muitos fatores podem influenciar a decisão desse profissional de destaque em permanecer ou deixar a companhia. Em muitos casos, esse talento busca trabalhar na empresa que sempre sonhou, ou mudou seus rumos profissionais devido a questões pessoais, e pouco pode ser feito para retê-lo. Em outras situações, o alto salário e os benefícios oferecidos podem fazer a diferença também.

No entanto, uma ação que tem poder para conquistar o funcionário, mas nem sempre é devidamente explorada, é a valorização desse talento, que vai muito além de um aumento salarial ou um bônus anual. No fundo, o que a pessoa quer também é ter o seu trabalho reconhecido, crescer profissionalmente, ter sua voz ouvida dentro da empresa e ter seus desejos pessoais respeitados. Um levantamento da Kelly Services Brasil, com mais de quatro mil profissionais no Brasil, mostra que 73% deles valorizam a oportunidade de crescimento profissional para se manter dentro da empresa, e 62% se identificam com empregadores que oferecem programas de treinamento e desenvolvimento.

Esses números comprovam que o brasileiro quer um emprego onde ele enxergue uma possibilidade real de crescer e se desenvolver na carreira. O grande talento, em geral, sabe que ele é bom no que faz e que pode trazer resultados positivos para seu empregador. E, por isso, ele busca essa reciprocidade. Quando o trabalhador sente confiança de que seu gestor vai ajudá-lo a crescer e que a empresa pode oferecer melhores oportunidades, ele vai pensar muitas vezes antes de buscar um novo emprego ou aceitar uma proposta de um concorrente.

Outra ação importante que o gestor deve ter para reter os bons colaboradores dentro da empresa é entender os fatores motivacionais de cada um dos seus liderados, mantendo um diálogo permanente. Isso mostra interesse no profissional, no trabalho que está sendo desenvolvido e nos resultados que consequentemente serão obtidos. Além disso, ouvir as opiniões e buscar soluções em conjunto demonstra que o líder confia no diagnóstico do liderado, valoriza-o como pessoa e acredita que ele é peça fundamental para ajudar a guiar os rumos da companhia.

Por fim, essa valorização necessariamente passa por respeitar o profissional em seus anseios individuais. Nem todos os profissionais desejam uma ascensão vertical ou uma carreira internacional, por exemplo. Alternativas como horário flexível ou trabalho part time podem ser um ótimo fator de retenção para aqueles que querem dedicar mais tempo à família ou ao crescimento dos filhos pequenos. Uma empresa que não pensa apenas em trabalho, que busca conhecer a vida dos empregados e que permite uma vida social saudável terá um ambiente mais amigável e motivador. Tanto que, nessa mesma pesquisa, 59% dos entrevistados levam em consideração o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, ao se decidir por se manter em seu atual emprego.

Reter os grandes talentos sempre será uma grande dificuldade. Mas, as chances de manter seus bons profissionais serão muito maiores, se a empresa estiver atenta a esses detalhes, oferecendo condições para que o profissional explore suas potencialidades, com um bom pacote de recompensas financeiras e valorização profissional, respeitando-o como pessoa e considerando seus anseios.

Valéria Andrade
Extraído e adaptado do site www.administradores.com.br
Foto: Arquivo da Internet

Comentários

Nenhum Comentário

Comentário estão bloqueados.